Jeny

Oie, what’s up?

Meu nome é Jenyfer, mas desde que me entendo por gente, sou chamada de Jeny.

Tenho 22 anos, e sou quase uma Designer. Estudo Comunicação Visual Design na UFRJ, e consegui chegar na reta final da faculdade. Falta tão pouco para a formatura, que eu nem me aguento de ansiedade.

Desde sempre, me dediquei exclusivamente aos estudos, entre pra escolinha um pouco antes de completar 3 anos, aprendi a ler e escrever em casa com minha mãe, muito antes das outras crianças. Pulei uma série, fui a mais nova da minhas turmas por muitos anos, até me formar no Ensino Médio, com 16 anos.

Quando chegou meu momento de fazer vestibular, ainda com 16 anos, senti todos os medos multiplicados por 100. Queria muito ir para a UFRJ na época, e quando não passei, me senti muito frustrada, quis desistir de tudo, mas continuei estudando, tirei o ano seguinte para me esforçar mais ainda, para conseguir o que eu queria.

No ano seguinte, prestei vestibular novamente, e mais uma vez, eu não consegui, mas dessa vez, escolhi ir para a UFRRJ, e ir cortando matérias, para no meio do ano, tentar novamente. Eu queria fazer Ciência da Computação, e acabei indo fazer Física, para poder aproveitar as matérias de novo.

Dito e feito, no meio do ano, consegui a tão sonhada vaga, mas, quando consegui, percebi que não era aquilo que eu queria. E foi mais uma choradeira. Desisti da vaga, estava quase desistindo da faculdade também, quando decidi prestar vestibular mais uma vez. Para o que? Nem eu sabia!

Eu gosto de falar que eu não escolhi meu curso, meu curso me escolheu. Não sei nem ao certo quando e como eu descobri que queria ser Designer. Assim que comecei no ensino médio, fui fazer um cursinho de informática de bairro, coisa só para passar o tempo. E nesse curso, a gente tinha uma parte de design, onde aprendia a mexer com Corel Draw, Photoshop, um pouco de web, e isso sempre me cativou demais, depois desse curso, eu comecei a fazer convites para festa do pessoa daqui de casa, essas coisas bobeiras, mas que já mostravam a minha vocação.

Depois do estalo que me deu, descobri que sempre tive a cabeça de designer, só nunca deixei me levar por essa ideia. Quando você se sente bem fazendo alguma coisa, tem que se libertar pra esse mundo, e se permitir se levar. E foi o que eu fiz, abandonei minha faculdade antiga, esperei mais um ano inteiro, para por fim, ir para os braços maravilhosos do Design, e olha só, para a UFRJ.

Eu gosto de contar essa história, para inspirar pessoas, e para perceber, que não existe nada de errado em mudar. Durante todo esse tempo, eu senti medo, achei que ia dar errado, que eu ia dar de cara da parede, que era a maior burrada da minha vida. E foi absolutamente diferente de tudo que eu tinha pensado. Hoje, quase 3 anos depois que eu cheguei onde deveria estar há muito tempo, sou mais feliz do que poderia ser. Trabalho e estudo o que eu gosto, faço estágio em um lugar maravilhoso, e finalmente, estou realizando meus sonhos. Tá vendo, mudar não é tão ruim, às vezes, mudar é realmente necessário, para você se conhecer.

Falando em realizar sonhos, agora em Novembro, vou realizar o meu maior sonho da vida, eu acho. Vou para o Reino Unido, depois de tanto esforço, tanto estudo, tanta coisa que eu ouvi, estou pagando com meu próprio dinheiro. Para  mim, é a maior realização da minha vida (até agora!).

Existe uma frase, que é quase o meu mantra: “Be Brave”. Seja corajoso!

Bom, essa sou eu, meio esquisita, meio doida, meio dramática, apaixonada pelos meus animais, e só uma menina cheia de sonhos.